Continue descendo...

 

2 meninas

Duas meninas, gêmeas idênticas, de 4 anos de idade.
Uma delas contrae uma  amigdalite purulenta febril com uma progressão tão séria que o seu estado geral se deteriora  e deve ser ingressada no hospital para receber perfusões intravenosas com soluções e antibióticos. Ela  recupera-se.


Cinco anos mais tarde, esta menina desenvolve uma  leucemia aguda
. Uma leucemia de um tipo  que só é possível desenvolver quando certos genes estão presentes no genoma do pacienteOs pesquisadores examinam ambas meninas e descobrem que esse "gene da leucemia" está presente nas duas.
Por que uma menina desenvolve a leucemia e a outra não?
Porque  a menina que teve  a  amigdalite grave activou com essa doença o seu gene de leucemia e a outra não.

 


Adriana

Alguns anos atrás eu tive uma paciente, vamos chamá-la Adriana, em seus 50 anos, que veio de uma família onde todos, pais e irmãos, sofriam de hipertensão arterial séria. Como resultado, todos os membros da família sofreram ataques cardíacos ou derrames cerebrais.  A minha paciente não .

Minha paciente tinha decidido em sua juventude de viver de forma diferente do que seus pais. Ela não quis expor-se a  esse stress que ela viu na vida dos seus pais.      Ela queria ter tempo para si e para outros e viver saudávelmente. Ela agiu de acordo com suas próprias convicções.

Ela praticava ioga, meditação, tornou-se vegetariana, fazia música e trabalhava a tempo parcial, a fim de ter um  "equilíbrio trabalho-vida" aceitável de acordo com as  suas preferências.

Agora minha paciente era mais idosa do que seus irmãos quando eles tiveram seus ataques cardíacos. Ela veio ao meu consultório para ter verificada a sua tensão arterial e fazer um check-up.  Ela estava preocupada porque ainda estava em boa saúde ...

Lembra-se das placas de Petri ... ?

Nota:
Na medicina, muitas vezes falamos da patogênese multifatorial das doenças e pintura preto-e-branco   não faz justiça à complexidade da matéria.  Isto  não pretende ser uma tese científica, mas uma tentativa de simplificar contextos complexos de forma que eles possam ser comprensíveis para todo o mundo.

A sombra

O termo da "sombra" foi  cunhado por C.G. Jung.

Ele referia-se a um lado oculto da psique humana. Aquilo que não é divulgado, mas é mantido escondido "na sombra" da personalidade. Explorar, descobrir e experimentar este aspecto  em si é muitas vezes uma necessidade, se o que quiser alcançar é a cura.
Aqui é preciso considerar a intenção da pessoa.
O que foi realmente a sua  motivação quando tomou esta decisão precisa na sua vida? Foi uma atitude construtiva, desapegada ? Ou uma atitude destrutiva, mesmo vingativa (que talvez teja sido uma auto-defesa)?  
Aqui não se trata de julgar ninguém. 

Mas de aproveitar o vigor contido nas  "intenções negativas", a fim de orientá-lo de forma positiva.
Isso torna possível  experimentar sua própria força vital com maior intensidade, folgadamente, para ser mais tu mesmo, menos determinado por outros.  Ser mais livre e saudável. 

O que finalmente aparece  é o nosso verdadeiro núcleo, a nossa essência que se mostra quando  não estamos em atitude defensiva. Então, nós somos exatamente como somos, sem que algo precise mudar. Nem em mim nem em outros. Um profundo estado de aceitação que é um excelente promotor de saúde.